Ouça na sua plataforma preferida!
    Média

    0

    10 baseada em 0 votos.
    Avalie:
    Você ainda não votou.
    Aguarde...

    Faça o login para votar.

    Esta página ainda está sendo preenchida. Encontrou algum erro ou quer nos ajudar a preenchê-la? Manda um salve!

    Letra da música Ironia

    Justiça justiça
    Justiça cega e torta
    Põe criminosos no poder
    Deixa as crianças mortas
    Justiça justiça
    Justiça cega e torta
    Põe criminosos no poder
    Deixa as crianças mortas

    Ninguém está mais preocupado com ninguém
    Todos só olham com o mal
    Sem olhar pra quem
    Vivem escondidos embaixo dos viadutos
    Sofrendo e morrendo
    Em escalas de grande proporções
    Porque hoje é tão difícil atingir os corações
    Pois há pessoas que só veem
    O seu próprio lado
    E acabam cruzando os braços
    Enquanto o mundo é acabado
    Entregue as mãos dos homens e as do demônio
    Que trabalha diariamente aumentando o patrimônio do mal
    Não é normal crianças nas ruas drogadas
    Vagando na maré da vida duas da madrugada
    Procurando um lar, um abrigo seguro
    Que as protega dos homens
    Que habitam o escuro
    São exterminadores, exterminando o futuro
    Que as crianças são
    Acham que ajudam caçando
    Como se fossem animais
    Pessoas que vivem na rua a procura de paz
    Mas encontram somente a morte
    É assim a dança do azar e da sorte
    Levando pessoas de um lugar para o outro
    É sofrimento sem paradas
    Ninguém acha pouco

    Justiça justiça
    Justiça cega e torta
    Põe criminosos no poder
    Deixa as crianças mortas
    Justiça justiça
    Justiça cega e torta
    Põe criminosos no poder
    Deixa as crianças mortas

    O garoto cheira cola na escola
    Onde ainda irá roubar
    Não soube o que era educação
    Nunca ninguém quis mostrar
    Como viver honestamente sem ser explorado
    É que a liberdade da rua o deixa equivocado
    E ele acredita que nunca será tão livre e forte
    Mas isso certamente é abusar da sorte
    Pois o garoto que vive, vive a espreita da morte
    Sedenta de sangue como um animal
    E arrebata com seus traços por bem ou por mal
    Quem se engana pensando ser dono da liberdade
    O vermelho é a cor forte do retrato da cidade
    Pintado com sangue de menores abandonados
    Que não tiveram a chance
    Nunca foram ajudados
    Por falsos heróis que não agem
    Mas são esses caras, são eles que fazem
    Uma justiça mais cega
    Louvando a impunidade
    Que hoje é quem governa a sociedade
    A verdade é que todos estamos separados
    Quando o cerco aperta vai cada um pro seu lado
    Assim nunca teremos futuro melhor
    Promessas não adiantam
    Sabemos de cor

    Justiça justiça
    Justiça cega e torta
    Põe criminosos no poder
    Deixa as crianças mortas
    Justiça justiça
    Justiça cega e torta
    Põe criminosos no poder
    Deixa as crianças mortas

    Sobre Ironia

    A música Ironia, de Frank de Zeuxis, foi lançada no disco Peso Pesado, em 1992.

    O que você achou de Ironia?