Ouça na sua plataforma preferida!
Média

0

10 baseada em 0 votos.
Avalie:
Você ainda não votou.
Aguarde...

Faça o login para votar.

Esta página ainda está sendo preenchida. Encontrou algum erro ou quer nos ajudar a preenchê-la? Manda um salve!

Letra da música Estilo cachorro

[Verso 1: Edi Rock]
Conheço um cara que é da noite, da madrugada
Que curte várias fita, várias balada
Ele gosta de viver e viajar
Sem medo de morrer, sem medo de arriscar
Não atira no escuro, um cara ligeiro
Faz um corre aqui, ali, sempre atrás de um dinheiro
(Ah, jogar pra perder, parceiro, não é comigo, ó)
(Esse cara é bandido) (Aham) Objetivo
Um bom malandro, conquistador
Tem naipe de artista, pique de jogador
Impressiona no estilo de patife
Roupa de shop, artigo de grife
Sempre na estica, cabelo escovinha
Montado numa novecentas azul novinha
Anel de ouro combinando com as corrente
Relógio caro, é claro, de marca quente
Anda só no sossego, sem muita pressa
Relaxa a mente, se não estressa
No momento, o que interessa, ele já tem
(Uma Kawasaki?) E liberdade, meu bem
(O que esse cara tem, sangue bom?) Os invejoso eu escuto
Moto, dinheiro, vagabundo fica puto
(Ah, isso não é justo, ó, e os irmão?)
Uma fatia do bolo, se orienta, doidão
Conhece várias gatas, tipos diferente
As preta, as branca, as fria, as quente
Loira tingida, preta sensual
Índia do Amazonas até flor oriental
Tem boa fama, no meio das vadia
Daquelas modelo que descansa durante o dia, tá ligado?
Tem seus critérios, tem sua lei
Montou naquela garupa, já foi que eu sei
No motel ou em casa? (Ah, vamos na sua)
De caranga no drive-in do H.O, ou à luz da lua
Segundas intenções, elementar
As camisinha tão no bolso e a maldade no olhar
Sabe chegar, sim, sabe sair
Sabe ser notado e cogitado aonde ir
Pra conseguir aquilo o que sempre quer
Utiliza a mesma arma que você, mulher

[Refrão: Ice Blue & Edi Rock]
Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher
Quanto mais você tem, muito mais você quer
Mesmo que isso, um dia, traga problema
Viver na solidão, ladrão, não vale a pena
Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher
Sem os dois eu não vivo, qual dos dois você quer?
Mesmo que isso um dia, traga problema
Ir pra cama sozinho, não vira esquema

[Verso 2: Ice Blue (Edi Rock)]
(Segunda?) A Patrícia
(Terça?) A Marcela
(Quarta?) A Raíssa
(Quinta?) A Daniela
(Sexta?) A Elisângela
(Sábado?) A Rosângela
(E domingo?) É matinê, dezesseis, o nome é Ângela
Tenho uma agenda com dezenas de telefone
Uma lista de características, e os nome
(Qual é a fonte parceiro?) Ah, isso num é segredo
Colo de moto, tá ligado? Tenho dinheiro
As cachorra fica tudo ouriçada quando eu chego
Eu ponho pânico, peço champanhe no gelo
Aquele balde prateado, em cima da mesa
Dá o clima da noite, uma caixa de surpresa
Fico ali olhando, sentado, filmando
Só maldade pra lá e pra cá, desfilando
Elas fazem de tudo, pra chamar sua atenção
Para, taca na cara, na pretensão
Cola de calça apertada, boca de sino
De blusa decotada, perfumada e sorrindo
Me pede um isqueiro e oferece um cigarro
“Oi, você tem fogo?” Ô, mas é claro
Qual é o seu nome? “Meu nome é Viviane
“Mas pra você sou Vi, tá aqui meu telefone”
5892, esse prefixo é lá da sul
Prazer meu nome é Paulo, aí, vulgo Ice Blue
De que lugar que você é? “Moro no Vaz de Lima
Conhece o Maracá? Então, ali pra cima”
Isso até rima, coincidência na pista
Vai montar na minha garupa, hasta la vista

[Refrão 2: Ice Blue e Edi Rock]
Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher
Quanto mais você tem, muito mais você quer
Mesmo que isso, um dia, traga problema
Viver sem ninguém, não tem esquema
Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher
Sem os dois eu não vivo, qual dos dois você quer?
Mesmo que isso, um dia, traga problema
Viver na solidão não vale a pena

[Transição: Mano Brown]
Au, au, estilo cachorro
Au, au, au, au, não é machismo

[Verse 3: Mano Brown]
Fale o que quiser, o que é, é
Verme ou sangue bom, tanto faz pra mulher
Não importa de onde vem e nem pra quê
Se o que ela quer mesmo é sensação de poder
Com um ladrão fez rolê, se envolveu, sei lá, saiu
Mas ou menos abril, curtiu, quem viu, viu
Em maio foi vista de RR a mil
Na BR no frio, com um boyzão da Civil, viu?
Uns e outros, aí, bom rapaz
Abre o coração e sofre demais
Conversa com os pais ali no sofá da sala
Ouve e dá razão enquanto ela fala
E fala, cai no canto da sereia
Vê que ele é firmão igual um prego na areia
Prego, jogou o ego dentro de um buraco
Um bon vivant jamais mostra o ponto fraco
Pergunte a Sansão quem foi Dalila
Ouça o sangue bom Martinho da Vila
De vários amores, de todas as cores
De vários tamanhos, de vários sabores
Quanto mais tem, mais vê se tem maravilha
P, M, G, morango e baunilha
Não é por nada, sem debate, sem intriga
“Minha cara é um chocolate”, “Humm, é o que liga”
Mas cabô, cabô, sem tchau, nem bilhete
‘Cê quase se mata por amor ao sorvete
E ele tava em punga
Pra levá-la no trampo lá na Barra Funda
10 graus, cinco da manhã, sem problema
Se ela não morasse em Diadema
Pontual como o Big-Bang, 4 anos assim
Nem Shakespeare imaginaria um fim
Te trocou por um vadio sem vergonha
Que ‘guenta até a mãe quando acaba a maconha
E ela diz que é feliz, que ele é cabuloso
‘Cê brisa pra caralho, moscão pegajoso
Mulher finge bem, casar é negócio
‘Cê vê quem é quem só depois do divórcio
Hey, hey, neném, de amor eu não morro
Vocês consagraram o estilo cachorro

O que você achou de Estilo cachorro?